Equipe

Nas competições de Kendo, as lutas por equipe possuem um diferencial à parte. Geralmente, são disputadas no período da tarde, após o término das competições individuais. Em função disso, a atenção do público é grande, pois não mais o lutador é o centro das atenções, sendo agora o nome da academia que está em jogo. Vamos lá.

A disputa por equipes possui as mesmas regras da individual. Um “round” único de cinco minutos, vencendo aquele que obter dois pontos, ou um ponto de vantagem ao término do tempo legal. Participam cinco lutadores, sempre um contra um. Em caso de empate ao final das cinco lutas, um membro é designado pelo técnico para uma luta final, sem tempo demarcado. Vencerá aquele que aplicar o ponto de ouro. Nesses casos, como a final do mundial de 2003 na Escócia, a emoção é inegavelmente forte.

A principal característica da disputa por equipes é o fato da figura do lutador ser secundária, em função do conceito do grupo unido. A “estrela” deixa de ser “estrela” para se tornar um dente da engrenagem. Rivais e adversários de uma mesma academia lutam lado a lado, promovendo a integração das forças e unindo sentimentos. Isso por si só já seria uma excelente lição de vida e uma experiência única.

Digo isso porque, no momento da luta, existem considerações estratégicas. Fatores como moral e determinação contam muito para o ânimo do time. Portanto, é necessário um membro agressivo e de atitude, que eleve o moral do grupo e imponha o ritmo forte na luta, preferencialmente logo de início. Dependendo da forma como as lutas se desenrolam, pesa maisa responsabilidade para os demais membros para alcançar a vitória e em muitos momentos isso é crítico.

Permita-me esclarecer as posições dos lutadores: aquele que entra para a primeira luta é chamado Senpo. Sua vitória é importante para elevar a moral do grupo. Em seguida, entra o Jiho. Tem por função a manutenção do resultado. Na terceira luta, é responsabilidade do Chuuken equilibrar (em caso de vantagem) ou iniciar a contra-ofensiva (caso estejam perdendo). A quarta luta é do Fukusho, o vice-líder. É decisivo para que a reta final esteja pavimentada, para finalmente o Taisho, o capitão (o membro mais experiente e considerado mais “forte”) termine o trabalho e o grupo seja vencedor.

Antes de tudo, gostaria de me desculpar por usar excessivamente a palavra “vitória”. No Kendo, as competições são importantes pelo que representam em termos de oportunidade de treinar suas técnicas, aprendizado e fazer amizades. Buscar meramente a vitória como objetivo não é o propósito do Kendo. O propósito técnico é a manutenção do Kendo correto, e somente através dele, atingir a vitória. Ou seja, atingir o objetivo é natural para aquele que executa corretamente o processo, o método. É o meio que justifica o fim.

Bom, colocado dessa forma tudo é muito nobre e elevado. Nem todos os praticantes estão interessados nesse aspecto mais “filosófico”, principalmente jovens e adolescentes. Mas a maturidade traz o bom-senso. E o treino correto também.

A tensão durante as competições por equipes é maior que nas individuais. Por um momento, luta-se não somente por você e seu aprendizado. Outras pessoas dependem do seu desempenho e é aí que reside a beleza do processo. Qual é o peso do mundo?

A realidade brasileira é um interessante exemplo paralelo a ser comentado. Normalmente, o que se espera dos outros? O sistema educacional e cultural japonês prepara seus jovens para serem cidadãos conscientes, principalmente dos seus deveres enquanto membros da sociedade em que vivem. Dessa forma, eles possuem a capacidade de agir considerando o impacto dessas ações nas demais pessoas ao seu redor. E isso é feito o tempo todo, de forma absolutamente natural. Seria o ideal da pessoa civilizada.

A pessoa é, de certa forma, condicionada para realizar e desempenhar tarefas de modo correto e dinâmico, cumprir adequadamente sua parte de forma ética e não incomodar. Isso funciona justamente porque todos pensam assim. Se fosse uma linha de montagem, a pessoa não precisaria se preocupar com defeitos nas peças que vieram da bancada anterior justamente porque o operário que lá estava cumpriu seu dever com precisão, cuidado e dedicação, para que você possa fazer a sua parte sem maiores problemas, e assim vai se repetindo até chegar no produto final. Porém, uma falha neste processo e tudo pode ser perdido.

Aqui no Brasil as pessoas são condicionadas a pensar em seus vizinhos? Realizar seu trabalho de forma plena para que as pessoas que dependem do seu trabalho possam executar com mais facilidade o delas? Contribuir de forma altruísta para o coletivo?

Novamente, me desculpo pelo texto que parece exaltar tanto a cultura japonesa em detrimento da brasileira. Mas essencialmente, a questão é: porque alguns modelos dão tão certo e outros nem tanto?

E tudo isso recai sobre a responsabilidade do lutador na disputa por equipes. Para ele, a vitória facilitará o trabalho dos demais companheiros. A derrota prejudicará o grupo. É possível entender agora, o contexto cultural aplicado ao esforço individual? Obviamente, isto não é um privilégio da cultura japonesa. Todos os povos possuem este sentimento. Foi ele que permitiu a sobrevivência da humanidade até hoje.

Para aquele que precisa fazer a diferença, o esforço em prol do próximo deve trazer à tona uma força diferente. Uma motivação diferente. E certamente, o resultado será diferente. Seja diferente. Alguns esforços tem que valer a pena.

_____________

…..O que achou da matéria? Sua opinião é importante para o crescimento deste trabalho. Caso tenha dúvidas ou queira conversar sobre o assunto, envie um e-mail para: blog.espiritomarcial@gmail.com

2 comentários sobre “Equipe

  1. Bacana, estou lendo todos os artigos do seu blog para entender melhor o kendo, tanto em aspectos técnicos, práticos e filosóficos, é a maior referencia em português que eu encontrei.

    Tenho algumas duvidas quando a competição por equipes que não foram explicadas neste artigo:

    O que acontece se um confronto termina empatado?

    Sempre são realizados os cinco combates mesmo que uma equipe perda as três primeiras lutas?

    Vi em vários vídeos do mundial títulos como “Brazil (5)2 – 0(1) Netherlands(NED)”, o que significa estes números?

    Grato!

    • OIá Célio,

      Me desculpe se o texto não é completo em termos de regras. Quanto as suas dúvidas, quando nas competições em equipe uma luta empata ao término do tempo, é simplesmente aceito tal resultado. No entanto, quando ao resultado geral (término), é contado em número de vitórias (e novamente em caso de empate, considera-se o total de pontos obtidos pela equipe). Caso vitórias e pontos continuem em empate, há uma prorrogação chamada “dai-hyo-sen” onde um representante de cada equipe é escalado para uma luta valendo ponto de ouro. Geralmente, é o capitão da equipe, mas não é regra.

      Sim, as 5 lutas devem ser feitas, mesmo uma das equipes perdendo as 3 primeiras. É tradição e mostra o espirito honesto em perder com dignidade.

      No caso dos números em parênteses, são os pontos obtidos pela equipe, e fora do parênteses, as vitórias. O seja, o Brasil venceu 2 combates (empatou 3) e totalizou 5 pontos. A Holanda venceu um combate marcando um ponto.

      Espero ter ajudado com suas dúvidas! Obrigado pela visita!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s